Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

ERA 2014 - Como poupar no material escolar

por Joana Freitas, em 29.08.14

Em tempos de crise financeira (e de valores também), muitas famílias preocupam-se mais do que nunca em poupar ao máximo tudo o que podem, especialmente em tudo quanto esteja relacionado com o regresso às aulas. Apesar de reconhecer que tal se deve fazer, tenho pena que tenha sido preciso vir uma crise económica para "abanar" as famílias, pois para além de terem poupado muito nestes últimos anos, teriam também poupado o nosso meio ambiente com algumas medidas eco-friendly

 

Ora como já passei por esta fase durante imensos anos - caminho agora para o meu décimo segundo ano - sei o quanto custa esta época para muitas famílias. Não foi propriamente o meu caso, pois cá em casa reutilizamos e poupamos tudo desde sempre, mas por ver a situação de muitos colegas meus. Como já tenho alguma experiência no assunto, decidi trazer-vos algumas dicas, quer para os pais, quer para os próprios estudantes que já compram/têm autonomia para comprar o seu próprio material.

Antes de ir às compras

  • Faça um levantamento do material que tem por casa, no sentido de ver tudo aquilo que poderá reutilizar - por exemplo, poderá reutilizar as esferográficas, os lápis e as borrachas. No caso dos cadernos que não usou até ao fim, poderá dar-lhes inúmeros usos: poderá usá-los como caderno de resumos, poderá arrancar as folhas do caderno e com elas fazer um bloco de notas, entre outros
  • Elabore uma lista do material que precisa de comprar - canetas, lápis, borrachas, esferográficas (uma azul, uma preta, uma vermelha e uma verde), sublinhadores e dois a três cadernos. Acredite que este é o material mais básico que há e que servirá para tirar os primeiros apontamentos durante a primeira semana de aulas, pois já se sabe que, para cada disciplina, existe material específico que cada professor quer que os alunos usem nas suas aulas. Além disso, é importante definir um budget a gastar em tudo
  • No caso dos manuais escolares, pondere comprar manuais em segunda mão ou trocá-los nos bancos de livros, pois além de serem mais baratos, estará ainda a reutilizar e a preservar o meio ambiente
  • Se tiver familiares com filhos um pouco mais velhos, peça emprestado tudo aquilo que conseguir. Por exemplo, se conseguir pedir emprestado três dos seis manuais que tem a adquirir, fará uma boa poupança já aqui! 
  • Ainda em casa e com o seu computador por perto, faça uma pesquisa de: promoções em vigor - não tenha vergonha de recorrer a campanhas de supermercado, uma vez que nelas poderá poupar até 10% ou mais no valor total - e compare os preços em diferentes superfícies, para ver quais as que oferecem melhores preços
  • Estabeleça um compromisso com o seu filho - se porventura este quiser a mochila mais cara, em troca negoceie e diga-lhe que terá que optar por cadernos básicos e pouco dispendiosos. Aproveite e mostre-lhe as inúmeras vantagens que isso poderá trazer - pode ser ele mesmo a personalizar o seu caderno! Deste modo, estará a desenvolver a capacidade criativa dele

Durante as compras

  • Não leve o seu filho às compras, deixe-o em casa. Muitas vezes é impossível resistir ou não aceder aos seus pedidos, pelo que se o deixar em casa, estará mais focada em comprar tudo o que estipulou e não haverá margem para gastos desnecessários
  • Analise bem o folheto das promoções, pois se neste estiver uma promoção de colas ou lápis, por exemplo, veja se não lhe compensará comprar uma quantidade generosa de modo a ter para o ano inteiro, e deste modo poupar dinheiro
  • Compre, sempre que possível, packs ou de estojos completos (estojos com material incluído), pois, em muitos casos, poderá sair-lhe mais barato
  • Existe material que, na minha opinião, compensa investir um pouco mais, como é o caso das mochilas. Se quer uma mochila duradoura e que nunca passe de moda, experimente investir nesse tipo de material, numa cor básica - permitindo assim às crianças personalizarem com pins ao longo do seu percurso escolar. Eu investi cerca de 30€ a 40€ na minha e a mesma durou-me mais de nove anos. Caso contrário, compre uma simples e de marca branca, e verá que a mesma não ultrapassará os 10€
  • Experimente comprar material de marca branca ao longo do ano, e quando o orçamento assim o permitir, para ver se encontrou os dupes perfeitos aos das marcas brancas. Se vir que a qualidade é a mesma e o resultado final é o mesmo, é um forte sinal de que poderá comprar os produtos de marca branca no ano seguinte!
  • Não se esqueça de pedir a sua factura com o número de contribuinte, para deduzir nas despesas de IRS 

Depois das compras

  • Junte todos os talões e veja quanto gastou em todo o material escolar. Veja se atingiu ou não o budget estabelecido inicialmente, e se caso o tenha ultrapassado, o que é que falhou e no que é que poderia ter poupado. Deste modo, estará a aprender e irá evitar cometer os mesmos erros no ano seguinte

Autoria e outros dados (tags, etc)

Combinar os sapatos com a mala

por Joana Freitas, em 28.08.14

Em caso de dúvida, seja no que for, o ideal é jogar sempre pelo seguro. O mesmo acontece na moda, especialmente quando se fala da conjugação de mala com os sapatos e, muitas vezes, com cinto, ou seja, o melhor é sempre optar por uma combinação mala + sapatos + cinto no mesmo tom, para que não haja qualquer erro. Porém, isto para as mais aventureiras poderá tornar-se aborrecido.

 

Como tal, decidi trazer-vos umas combinações que certamente resultariam num look. Optei por trazer-vos conjugações entre peças com padrão, que normalmente costumam trazer inúmeros problemas para as mulheres, mas, nesses casos, tenho uma dica para vos dar: tentem sempre procurar um tom que vos permita fazer a ligação entre as peças, isto é, um fio condutor. Deste modo garanto-vos que não falham! Ou então, se assim o quiserem, podem sempre arrojar um bocadinho e soltar o vosso lado mais criativo. Inspirem-se:

Autoria e outros dados (tags, etc)

5 dicas sobre o rosto (que você desconhecia)

por Joana Freitas, em 27.08.14

À semelhança do que tenho vindo a fazer em anteriores posts sobre esta temática, hoje chegou a vez de partilhar convosco as últimas dicas de maquilhagem que, tal como vos tinha dito, tenho retido e aprendido do contacto com outras bloggers formadas em maquilhagem.

 

Acho que, e para mim, o mais difícil numa maquilhagem é conseguir uma pele perfeita, sem que se note as nossas marcas das borbulhas e rugas para quem eventualmente as tenha, mas também sem parecer que estamos com montanhas de base e outros produtos corretivos na cara, ou seja, corrigirmos sim tudo o que não queremos evidenciar sem parecermos demasiado artificiais. Porém, existem algumas dicas que nos ajudam a potencial o pontos fortes do nosso rosto de forma natural.

1. Hidratação - Ora após uma boa esfoliação e devida tonificação da pele, um passo que não poderá de todo ser saltado é a hidratação, isto porque digamos que a hidratação é a base das bases, ou seja, é o que permite a base fixar-se melhor e de evitar aquele aspecto esfarelado que se costuma ficar quando não se aplica hidratante, mas, ao contrário do que sempre aprendemos, o creme deve aplicar-se sem massagens, isto porque ao massajarmos estamos a, pouco e pouco, remover todo o creme. Portanto, o ideal é aplicar o hidratante com movimentos rápidos e delicados, sem aquecer o creme. Deste modo o creme é absorvido pela pele.

 

2. Esfoliação - Por falar em cuidados de rosto e esfoliações, uma boa altura para esfoliar a pele é precisamente durante ou logo após o banho, já que é nestas ocasiões que os poros estão mais dilatados, logo serão mais fáceis de "limpar" e de remover toda a gordura/sujidade neles acumulada.

 

3. Base - O processo de aplicação da base deve sempre começar do centro para fora, ou seja, e por exemplo, deverá por começar a aplicar a base da testa para o resto do rosto, do nariz para as maçãs do rosto, e assim sucessivamente, de forma a que a maior concentração de base fique no centro, espalhando o resto para as restantes áreas do rosto, sem esquecer as orelhas, o pescoço e o decote.

 

4. Blush - Um truque infalível para a aplicação correta do blush é dar um belo sorriso em frente do espelho, de modo a "ressaltar" as nossas bochechas. Chegada a esse ponto, deverá localizar a menina dos seus olhos e, mais ou menos nessa direção, comece por espalhar o blush dessa direção, na zona das bochechas, até à extremidade do rosto. Eu costumo aplicar com pancadinhas, para certificar-me que não aplico blush em demasia.

 

5. Contorno - Se deseja parecer que emagreceu uns belos kgs sem recorrer a Photoshop, a técnica ideal para si é o contorno! Basicamente, esta técnica consiste em disfarçar tudo aquilo que tem para disfarçar (ex: nariz proeminente, rosto largo, etc) e iluminar pontos estratégicos, uma forma de criar as proporções ideais. Pode consultar, por exemplo, este tutorial indicado para iniciantes.

Autoria e outros dados (tags, etc)



Envie-me um email

Para: modaestyle@hotmail.com




Bloglist24-com-